MANANCIAL

MANANCIAL
"Jardim fechado és tu, minha irmã, esposa minha, manancial fechado, fonte selada". (Cânticos 4:12)

domingo, 18 de setembro de 2016

ALGO MISTERIOSO, PRÓPRIO DAS CRIANÇAS.

Finjo que estou sério, os músculos de minha face travam. Ele, imediatamente, abre os olhos assustados e, com a boca fechada, olha fixamente para mim. Se eu começo a conversar com ele, mesmo não entendendo nada, presta atenção como se nosso diálogo fosse coisa mais importante do mundo. Invariavelmente, Miguel (meu garoto de oito meses) dedica toda sua atenção para algo ou alguém. Indiferença é uma característica que ele ainda não desenvolveu. Miguel me fez pensar que, ao contrário do que dizemos, criança é a pessoa que mais leva as coisas a sério. Mesmo que estas coisas sejam sua refeição, seu brinquedo ou seu sono. Não importa. Para ela, a vida é intensa e não dá para compreender quem a ignora. O mistério se intensifica ao refletirmos sobre o incidente registrado em Mateus 21.16 no qual as crianças louvam a Jesus no templo e os líderes religiosos protestam; Ele responde como de costume mencionando as Escrituras:

“Ouves o que estes estão dizendo? Respondeu-lhes Jesus: Sim; nunca lestes: Da boca de pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor”?

Quando procuramos no Antigo Testamento pela passagem mencionada por Jesus aí encontramos em Salmos 8.2 o seguinte: 

“Da boca de pequeninos e crianças de peito suscitaste força, por causa dos teus adversários, para fazeres emudecer o inimigo e o vingador”.

Por que louvor e força são intercambiáveis? Por que Jesus entendeu “suscitar força”, como, “tirar o perfeito louvor”? Eu acho, que como o Miguel, as crianças levaram Jesus a sério. Como o Miguel, indiferença era uma característica que elas ainda não tinham desenvolvido. E foi por isto, que àquela altura do drama, quando tudo se encaminhava para uma morte horrenda, no momento que Jesus mais precisava de incentivo, de palavras de encorajamento, e sim, de força, foi das crianças que ele recebeu o perfeito louvor.


Por Lissânder Dias, pai do Miguel.
http://ultimato.com.br ; APEGUE-SE À FORÇA DAS CRIANÇAS.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

ABORTO.

Tentar opinar sobre algo que não se conhece é burrice, mas é exatamente o que fazemos quando aceitamos como verdadeiros os conceitos concebidos por outros, principalmente se esses “outros” visam algo além do que dar uma simples opinião.

Por muito tempo eu acatei uma posição errada sobre a legalização do aborto devido à ideia de que “toda a mulher deve ter direito de decidir o que fazer com o seu próprio corpo”, mas hoje vejo que essa premissa é um tanto egoísta, pois a criança que está sendo gerada não é o “próprio corpo” da mulher, senão, “outro corpo”, dependente do corpo dela, e que não terá direito ao seu “próprio corpo” se for abortado pela mãe.

Apesar de minha crença cristã, eu não entendia o porquê de muitos líderes religiosos serem veementemente contrários à legalização do aborto, principalmente quando usavam para justificar suas posições Êxodo 21: 22,23 (Se alguns homens pelejarem, e um ferir uma mulher grávida, e for causa de que aborte, porém não havendo outro dano, certamente será multado, conforme o que lhe impuser o marido da mulher, e julgarem os juízes. Mas se houver morte, então darás vida por vida). O texto não dá diretrizes claras no que tange ao aborto consentido, mas refere-se ao provocado por um acidente.

Como já disse, aceitar a ideia de alguém sobre qualquer assunto sem analisá-la é tolice, portanto o melhor caminho é esvaziar-se das opiniões formadas e buscar respostas verdadeiras. ASSIM VEIO A MIM A PALAVRA DO SENHOR, DIZENDO: “ANTES QUE TE FORMASSE NO VENTRE TE CONHECI, E ANTES QUE SAÍSSES DA MADRE, TE SANTIFIQUEI; às nações te dei por profeta” (Jeremias 1:4,5). Sobre Ti fui lançado desde a madre; TU ÉS O MEU DEUS DESDE O VENTRE DE MINHA MÃE (Salmos 22: 10). Pois possuíste os meus rins; COBRISTE-ME NO VENTRE DE MINHA MÃE. Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso FUI FEITO; maravilhosas são as tuas obras, e A MINHA ALMA O SABE MUITO BEM. Os meus ossos não te foram encobertos, QUANDO NO OCULTO FUI FEITO, e entretecido nas profundezas da terra. OS TEUS OLHOS VIRAM O MEU CORPO AINDA INFORME; e NO TEU LIVRO TODAS ESTAS COISAS FORAM ESCRITAS; as quais em continuação foram formadas, QUANDO NEM AINDA UMA DELAS HAVIA. (Salmos 139: 13-16). Ouvi-me, ilhas, e escutai vós, povos de longe: O SENHOR ME CHAMOU DESDE O VENTRE, DESDE AS ENTRANHAS DE MINHA MÃE FEZ MENÇÃO DO MEU NOME (Isaías 49:1).

“NADA PODEMOS CONTRA A VERDADE, MAS SOMENTE EM FAVOR DA VERDADE” (2 Coríntios 13:8).

Certo dia eu assisti na internet a história de um médico dos EUA que durante a sua carreira fez vários abortos, mas que num determinado momento de sua vida se deu conta da atrocidade que fazia. Isso aconteceu quando ele gravou todo o procedimento realizado dentro do útero durante uma de suas intervenções. Ao assistir a gravação, o vídeo mostrou-lhe algo terrível e comovente: o feto estava tentando fugir desesperadamente da cânula de sucção, aquele ser vivo buscava inutilmente agarrar-se na parte oposta do útero materno, mas foi esmagado e sugado sem misericórdia. Hoje esse médico é um dos opositores ferrenhos do aborto legal.

Bem! Se eu ainda precisasse de algo mais do que as declarações dos profetas bíblicos para formar minha opinião contrária ao aborto, o vídeo gravado por esse médico ex-aborteiro seria esse “algo mais”. Assisti ao vídeo e fiquei chocado e comovido. Para quem tem estômago forte ou que ainda não está convencido da atrocidade do aborto, segue o link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=PHhqWOovsHw

Abaixo, deixo um discurso de Ronald Reagan sobre o aborto legal nos EUA, o qual copiei de um vídeo do YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=BxXeBABZVqg).

DISCURSO DO PRESIDENTE RONALD REAGAN CONTRA O ABORTO LEGAL.
Sei que o que estou para dizer é agora polêmico, mas tenho de dizer. Este país não pode continuar se fazendo de cego e surdo para a eliminação de quatro mil vidas de bebês em gestação a cada dia. É um bebê a cada vinte e um segundos. Não podemos fingir que os Estados Unidos estão preservando seu primeiro e mais elevado ideal, a convicção de que cada vida é sagrada, quando temos permitido as mortes de 15 milhões de indefesos inocentes desde a decisão Roe vs. Wade. – 15 milhões de crianças que nunca rirão, nunca cantarão, nunca conhecerão a alegria do amor humano, nunca lutarão para curar os doentes ou alimentar os pobres ou fazer paz entre as nações. O aborto negou a elas o primeiro e mais fundamental dos direitos humanos. Somos todos infinitamente mais pobres com a perda delas.
Esta nação travou uma guerra horrível para que os americanos negros tivessem garantidos seus direitos dados por Deus. Abraham Lincoln reconheceu que não conseguiríamos sobreviver como uma terra livre quando alguns podiam decidir se outros deveriam ser livres ou escravos. Hoje outra pergunta tem de ser feita: como é que conseguiremos sobreviver como nação livre, quando alguns decidem que outros não são dignos de viver e deveriam ser destruídos?”
Creio que não há desafio mais importante para o caráter dos EUA do que restaurar o direito à vida de todos os seres humanos. Sem esse direito, nenhum outro direito tem sentido. “Deixai vir a mim as criancinhas, e não os impeçais; porque deles é o reino de Deus.”
Penso que estamos fazendo progresso na defesa da santidade da vida dos bebês. Venho pedindo seu total compromisso e a grande força de suas orações, para que juntos consigamos convencer nossos compatriotas de que os EUA devem, podem e preservarão o maior presente de Deus.
Somos um governo do, pelo e para o povo. E o povo quer uma emenda constitucional para restaurar os direitos que nos foram tirados. Vamos incentivar aqueles entre nós que estão tentando fornecer alternativas positivas ao aborto. E com sua ajuda, poderemos vencer, e isso será uma grande vitória para nossas crianças.
Ronald Reagan em discurso proferido no ano de 1984.


Sim; nunca lestes: Da boca de pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor?
L. M. S.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

TENHO CONTRA TI QUE DEIXASTE O TEU PRIMEIRO AMOR (Apocalipse 2: 4).

Jeremias 51.

6. Fugi do meio de Babilônia, e cada um salve a sua vida; não pereçais na sua maldade; porque é tempo da vingança do Senhor: Ele lhe dará a sua paga.

8. Repentinamente, caiu Babilônia e ficou arruinada; lamentai por ela, tomai bálsamo para a sua ferida; porventura sarará.

9. Queríamos curar Babilônia, ela, porém, não sarou... 

O POVO DE DEUS EM CANAÃ.

Quando Deus introduziu Israel em Canaã, Ele mandou que fossem destruídos todos os povos que habitavam na terra juntamente com seus altares, seus deuses e seus locais de culto, para que os costumes cananeus fossem riscados da memória dos israelitas ao tomarem suas terras, e também como testemunho às nações vizinhas da recompensa das suas abominações.

Deuteronômio 12.

2. Destruireis por completo todos os lugares onde as nações que ides desapossar serviram aos seus deuses...

3. Deitareis abaixo os seus altares, despedaçareis as suas colunas, e os seus postes-ídolos queimareis, e despedaçareis as imagens esculpidas dos seus deuses, e apagareis o seu nome daquele lugar.

30. Guarda-te, não te enlaces com imitá-las, após terem sido destruídas diante de ti; e que não te indagues acerca dos seus deuses, dizendo: Assim como serviram estas nações aos seus deuses, do mesmo modo também farei eu.

CRISTIANISMO X JUDAÍSMO.

Os discípulos de Jesus estavam admirados com a reforma realizada por Herodes no Templo de Jerusalém, mas o Senhor lhes disse: “Não ficará pedra sobre pedra”...

Deus não faz reformas, Ele cria; Ele edifica do nada chamando à existência as coisas que não existem.

O Senhor Jesus não disse a Nicodemos que se alguém fizesse uma reforma, uma remodelagem ou uma “maquiagem” no judaísmo, o tal poderia ver o Reino de Deus. Sabe?!... Faz um ajuste aqui, um remendo ali, um jeitinho cá, um acerto lá... Não!... Jesus mesmo disse: É necessário nascer de novo (João 3: 3,7). Não se deita remendo de pano novo em roupa velha, nem se põe vinho novo em odres velhos, mas Escritura diz: “Eis aqui venho, oh Deus, para fazer a Tua vontade”; “Tira o primeiro para estabelecer o segundo" (Mat. 9: 16,17; Hebr. 10: 9). “Eis que faço novas todas as coisas” (Apoc. 21: 5).

O MAU EXEMPLO DE ISRAEL.

Acaz, um iníquo rei de Judá, vendo-se em aperto com os Sírios e com Samaria, ao invés de buscar a Deus e submeter-se à Sua Palavra, buscou auxílio no rei Tiglate-Pileser, mas para receber essa ajuda, ele “despojou” a Casa do Senhor e a Casa Real, pois tirou da prata e do ouro de seus tesouros e os entregou ao rei assírio. Por causa desse pacto Acaz ficou submisso à Damasco. Lá em Damasco, Acaz viu um altar pagão e copiou seu desenho enviando-o ao sacerdote Urias em Judá, o qual o construiu e o colocou no Templo de Jerusalém substituindo seu altar de bronze. Acaz também fez em pedaços os utensílios da Casa de Deus, e fechou as suas portas, e edificou para si altares em todos os cantos de Jerusalém (2 Reis 16: 5-18; 2 Crônicas 28: 16-25).

A CAUSA DO CATIVEIRO DE ISRAEL E A ORIGEM DOS SAMARITANOS (2 Reis 17: 6-34).

No nono ano do reinado de Oséias, rei de Israel (Reino do Norte – Samaria), Salmaneser, rei da Assíria, tomou Samaria e levou para o cativeiro o povo de Israel. As causas do exílio israelita podem ser assim descritas:

1. Os filhos de Israel pecaram contra o Senhor;

2. Andaram nos estatutos das nações ímpias de Canaã e nos costumes dos reis de Israel;

3. Não fizeram o que era reto diante do Senhor:

a. edificaram para si altos (locais particulares de sacrifício);

b. levantaram para si colunas e postes ídolos nos montes e à sombra das árvores (monumentos à idolatria e idolatria pessoal – culto à carne – sensualidade – culto à prosperidade material – culto às riquezas mundanas);

c. queimaram incenso em todos os altos segundo o costume das nações ímpias e serviram aos ídolos (cultuaram, buscaram e adoraram tudo o que os ímpios cultuavam, buscavam e adoravam: superstições, honrarias mundanas, prazeres mundanos, e temores de homens);

4. Ignoraram as advertências dadas pelo Senhor na Lei e também através dos profetas que Deus lhes enviara;

5. Eles se tornaram obstinados, endureceram seus corações e por isso não creram no Senhor Deus;

6. Rejeitaram os estatutos e a Aliança de Deus com os pais;

7. Imitaram as nações ímpias, seguiram seus ídolos e se tornaram vãos;

8. Desprezaram os mandamentos do Senhor, seu Deus, e fizeram para si “imagens”, adoraram todo o exército do céu (culto aos anjos e às estrelas) e serviram Baal (deus deste mundo – Satanás);

9. Queimaram seus filhos e suas filhas como sacrifício (muitos pais ainda “queimam” seus filhos em sacrifício a Quemos e a Moloque – dedicam a Satanás – ao ensinarem à suas crianças o fanatismo pelo esporte, o gosto pelo carnaval, a sensualidade, a mentira, a zombaria, o materialismo e a rivalidade; não educando-os no temor de Deus);

10. Praticaram adivinhações, creram em agouros, e venderam-se ao mal (prostituíram-se com seus corpos, corações e mentes).

Ufa!

Por todas as abominações cometidas pelo “povo de Deus”, o Senhor os desalojou da “terra prometida”, e o rei assírio enviou para habitar ali no lugar deles os povos pagãos do seu império, mas o Senhor Deus matou alguns dos novos habitantes mandando leões para despedaçá-los. Então o rei da Assíria trouxe de volta a Betel um dos sacerdotes israelita que levara em cativeiro, para que, por meio dele, os novos colonos aprendessem a maneira de como servir ao Senhor dos Exércitos. Porém, o povo continuou a adorar aos seus deuses, e assim, juntamente com o culto ao Senhor, eles também cultuavam os seus deuses edificando-lhes santuários em Israel.
Desta maneira, os samaritanos criaram um culto misto, pois temiam ao Senhor, mas ao mesmo tempo serviam aos seus próprios deuses. Na verdade não temiam a Deus, não no coração, porque não guardavam a Sua Lei, mas viviam um falso temor a Deus, um “culto mentiroso”, “de boca prá fora”, visto que eles andavam conforme bem lhes parecia.

Será que a semelhança da história bíblica de Israel com a Igreja de hoje é apenas mera coincidência, ou será que ela se repete?
A REFORMA PROTESTANTE.
Qual é o problema da Reforma Protestante???
O problema da Reforma Protestante foi justamente a “Reforma”. Explico! Quando Israel e Judá desviaram-se do Senhor, Ele deu tempo para que se arrependessem, mas isso não aconteceu. Então Deus destruiu Israel, destruiu Jerusalém e destruiu o Templo, para que, depois de setenta anos, tudo fosse reconstruído do nada. Jeremias em sua visão descreve bem como Jerusalém ficaria: “Olhei para a terra e estava sem forma e vazia; para os céus, e não tinham luz” (Jeremias 4: 23); este verso é semelhante à frase que lemos em Gênesis 1: 2 quando Deus preparava a Terra para nela “criar”. Bem, esta é a resposta à questão; a Reforma Protestante não abandonou o cristianismo apostatado do Catolicismo Romano, não o destruiu em sua mente e em seu coração, não o pôs por terra, mas apenas o reformou.
Os reformadores levaram junto consigo o nicolaísmo (dominadores do povo – clericalismo) católico, os templos como sinônimos da “Casa de Deus”, a busca das benesses do Estado secular, as honrarias aos padres da Igreja (precursores do catolicismo – Agostinho, Eusébio, Jerônimo, Orígenes...), os seminários como legitimadores dos ministros da Palavra, os rituais de culto (liturgia), o batismo infantil, a profissão de fé, o batismo e a Ceia do Senhor como sacramentos e não como doutrina de conduta cristã.
Tanto no catolicismo como no protestantismo, o batismo é apenas de uma exigência para ingressar no corpo da Igreja e não uma confissão pública, pessoal e diária regente na vida e na mente do cristão, a qual é: “sepultado com Cristo pelo batismo na Sua morte, morri para o pecado para viver para Deus” (Rom. 6: 4,10); na Ceia eles vêem um rito memorial da morte de Jesus e não um símbolo da comunhão da Sua vida nos crentes pela união do Seu corpo (“Quem de Mim se alimenta, por Mim viverá” – João 6: 54-57; Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão – 1 Cor. 10:16,17). Na Reforma, a Eucaristia católica transmutou-se na Santa Ceia, e a transubstanciação deu lugar à consubstanciação.
O JUDAÍSMO MESSIÂNICO.
Jeremias 3.
15. E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência.
16. E sucederá que, quando vos multiplicardes e frutificardes na terra, naqueles dias, diz o Senhor, NUNCA MAIS SE DIRÁ: A ARCA DA ALIANÇA DO SENHOR, NEM LHES VIRÁ AO CORAÇÃO; NEM DELA SE LEMBRARÃO, NEM A VISITARÃO; NEM SE FARÁ OUTRA.
17. Naquele tempo chamarão a Jerusalém o trono do Senhor, e todas as nações se ajuntarão a ela, EM NOME DO SENHOR, em Jerusalém; e NUNCA MAIS ANDARÃO segundo o propósito do seu coração maligno.
18. Naqueles dias andará a casa de Judá com a casa de Israel; e virão juntas da terra do norte, para a terra que dei em herança a vossos pais.
... Se eu torno a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo constituo transgressor. Porque eu, mediante a própria Lei, morri para a Lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo, logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo pela fé no Filho de Deus... (Gálatas 2: 18-20).
É justamente isto que o judaísmo messiânico faz: uma reedificação da Lei (“sombra dos bens futuros”) no Evangelho de Cristo; pois reconstrói a “imagem imperfeita” da Lei, na perfeita Aliança de Deus com os verdadeiros adoradores. Porém, tal atitude, não é e nem nunca foi uma exclusividade deles, mas muitas Igrejas também adotaram seus costumes e símbolos (sábado, festas, circuncisão, dietas, menorá, kipá, talit, arca, shofar, Nome de Jesus em aramaico ou hebraico, pronunciar D’us ou Eterno...). A estes, parece que a verdade do Evangelho não lhes basta, e por isso recorrem às “muletas” judaicas para com elas tentarem ficar de pé diante de Deus. Sois assim tão insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais agora querendo vos aperfeiçoar pelo “mero esforço da carne”? (Gál. 3: 3).
O EXEMPLO DE ZOROBABEL E JESUA (Esdras 4: 1-5).
Na reconstrução do Templo pela ocasião do retorno do cativeiro, os judeus e benjamitas incumbidos da tarefa, foram assediados pelos samaritanos estabelecidos na terra, os quais eram descendentes dos colonos enviados para habitar ali desde tempo em que Israel foi levado em cativeiro.
Lembram-se do povo do culto misto? Pois é! Esse povo que cultuava a Deus e aos seus deuses, também quis ajudar na edificação do Templo de Jerusalém dizendo: “Deixa-nos edificar convosco, porque, como vós, buscaremos ao vosso Deus; como também já lhe sacrificamos desde os dias de Esar-Hadon, rei da Assíria, que nos fez subir para cá” (Esdras 4:2). Mas Jesua, o sacerdote, e Zorobabel, o governador, e todos os demais anciãos cabeças das famílias de Judá e de Benjamim recusaram a proposta dos seus “adversários” – “adversários” e não amigos – e lhes disseram: “Nada tendes conosco na edificação da Casa do nosso Deus” (Esdras 4: 3).
Será que os crentes de hoje conseguem ver o simbolismo disto?! Que comunhão tem as luz com as trevas?! Que concórdia há entre Cristo e belial?!...

A DOUTRINAÇÃO DE ISAÍAS (Isaías 8: 11-22).

Hoje, “em Nome do Senhor”, várias denominações evangélicas introduzem em seus “cultos” um “leque” de práticas sem nenhum respaldo bíblico, as quais são verdadeiras aberrações adotadas e cridas por ignorantes, intermediadas e defendidas pela pregação de ministros corruptos. Mas a Palavra de Deus é clara: “À Lei e ao Testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a Alva” (verso 20).

O PÃO DO CÉU PROVA OS CORAÇÕES (Êxodo 16).

O maná deve ser colhido todos os dias, pois a provisão de Deus é diária, porque Ele quer que dependamos pela fé de toda Palavra que sai da Sua boca (Deut. 8: 3,16). O Senhor provava Seus filhos através do “Maná” para que eles vivessem da fé (verso 4); e viver da fé é alimentar-se dia após dia do Pão do Vivo (Cristo Jesus, o Verbo de Deus) deixado pelo “orvalho do céu” neste deserto. Portanto, temos que sair a Ele para “colhê-Lo” (Hebreus 13: 13) e cozê-Lo para “sentir o Seu sabor” (azeite fresco ou bolos de mel). Deus não quer preguiçosos no Seu Arraial, Ele provê o sustento cotidiano, mas quer que todos Seus filhos “trabalhem” pela comida que permanece para todo o sempre (João 6: 27).

Lembra-te onde caíste e volta...


L. M. S.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

DÃ É JUIZ.

No capítulo quarenta e nove de Gênesis que descreve as bênçãos proféticas de Jacó aos seus filhos, lemos a referente ao seu filho Dã que diz assim: “Dã julgará” seu povo como uma das tribos de Israel. “Dã será serpente” “junto ao caminho”, uma víbora junto à vereda, que “morde os talões” do cavalo e “derruba o seu cavaleiro por detrás”. A “tua salvação” espero, ó Senhor (Gên. 49:16-18). 

Quando Raquel, mulher de Jacó, viu que Léia tinha filhos a e ela não, resolveu então entregar sua serva Bila para coabitar com seu esposo a fim de ter filhos por meio dela. E quando Bila concebeu e deu à luz, Raquel chamou a criança de Dã, e disse: “Deus me julgou”... (Gên. 30:1-6). Portanto, nome Dã vem de “julgar”, por isso Dã é “juiz”.

Voltando à bênção de Jacó ao seu quinto filho, devemos ponderar que se trata de uma profecia, portanto se faz necessário a interpretação bíblica dessa profecia que usa termos como: “julgará seu povo”, “será serpente”, “junto ao caminho”, “víbora junto à vereda”, “morde os talões”, “derruba o seu cavaleiro”, “a tua salvação espero”. Juntando todos estes “itens” fica mais fácil entender ou decifrar o mistério escatológico da bênção de Jacó.

1. Dã julgará o seu povo como uma das tribos de Israel:

a. Sansão era danita e foi um juiz de Israel; ele julgou as tribos israelitas por vinte anos (Juízes 13:2-5,24, 16:31);

b. O Sinédrio, apesar de não ser composto de danitas, julgava o povo como uma das tribos de Israel, e foi esse conselho judicial de Israel que julgou e condenou a Jesus por blasfêmia (Mateus 26:57-66).

2. Dã (o juiz) será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda:

a. Raça de víboras! Exclamou João Batista. Porque muitos dos saduceus (linhagem sacerdotal) e dos fariseus (escribas e doutores da Lei), os quais eram integrantes do Sinédrio, vinham ao seu batismo, mas sem arrependimento sincero em seus corações (Mat. 3:7; confira com o cap. 23:33-35),

b. Voz do que clama no deserto: Preparai o “Caminho do Senhor”, endireitai as “Suas Veredas” (Isaías 40:3; Mateus 3:3);

c. Respondeu-lhe Jesus: “Eu Sou o Caminho”... (João 14:6)

d. O Senhor é o meu Pastor... Guia-me pelas “Veredas da Justiça”... (Salmos 23:1,3).

3. Que morde os talões do cavalo, e derruba o seu cavaleiro por detrás:

a. E porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência (raça de víboras – geração da serpente) e o seu descendente (Cristo Jesus). Este (Jesus) te ferirá a cabeça, e tu (a serpente) lhe ferirás o calcanhar (morde os talões do cavalo – traição) (Gênesis 3:15);

b.  Vós, porém, negastes o Santo e o Justo... Matastes o Autor da vida... Jesus Cristo, o Nazareno, a quem vós crucificastes... Este Jesus é a pedra rejeitada por vós, os edificadores... Jesus, a quem vós matastes, pendurando-o num madeiro... Deus o exaltou a “Príncipe e Salvador” (Atos 3:14,15, cap. 4:10,11 e cap. 5:30,31) – E derruba o “cavaleiro” (o Príncipe) por detrás.

4. A tua salvação espero, ó Senhor!

... Porém Deus O ressuscitou dos mortos, rompendo os grilhões da morte, porque não era possível que Ele fosse retido por ela (Atos 2:24 e 32, 3:15, 4:10 e 5:30).

“Mas Ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades, o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53:5).

L. M. S.   

sábado, 20 de agosto de 2016

AINDA EXISTE SACERDOTES?

É certo que na Nova Aliança, o sacerdócio não está mais restrito a uma classe, pois todos os crentes são feitos em Cristo o reino e sacerdotes para Deus Pai (Apoc. 1: 6). Porém, Deus ainda conservou na Igreja os “ministros da Palavra” visando o aperfeiçoamento dos santos (Ef. 4: 11-14). Estes ministros são as “juntas e ligaduras” do Corpo do Senhor (Col. 2:19) para que os Seus membros sejam bem ajustados e assim cresçam para a glória de Deus.

Números capítulo dezoito trata dos deveres e direitos dos sacerdotes de Israel e pode servir de parâmetro no que concerne à vida ministerial do Evangelho. Uma das coisas que tem peso sobre os que ministram a Palavra ao rebanho de Deus é o ensino correto das Escrituras Sagradas, pois se este ensino for enganoso, pior será para quem o ministrar, visto que os mestres receberão o mais duro juízo (Tiago 3:1), assim como está escrito que Arão e seus filhos levariam a “iniquidade do santuário” e do sacerdócio (Números 18: 1), porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca devem os homens buscar a lei, porque ele é o mensageiro do Senhor dos Exércitos (Malaquias 2:7).

Arão e seus filhos atenderiam a tudo referente ao altar e ao que estava além do véu, porque este era o seu serviço, o sacerdócio, o qual Deus lhes entregara por ofício como dádiva (Núm. 18: 7). Assim como eles comiam do que se oferecia no altar, das ofertas dos filhos de Israel, também os ministros que cuidam das ovelhas do Senhor, podem participar do que os crentes ofertam, porém a Escritura diz: “No lugar santíssimo o comerás”... (verso 10); isto quer dizer: nunca nos prazeres mundanos, nunca no conforto terreno, mas no labor da obra evangélica; pois também diz a mesma Escritura: “Na sua terra herança nenhuma terás e no meio deles nenhuma porção terás. Eu Sou a tua porção e a tua herança”... (verso 20). E o verso 11 do mesmo capítulo acrescenta: “Todo o que estiver limpo na tua casa a comerá”.

O obreiro fiel a Cristo é digno do seu salário. Salário na Bíblia quer dizer jornal (Mat. 20: 8), o sustento para um dia de serviço que supra as necessidades materiais; portanto, quem quer ser um ministro do Senhor deve acomodar-se a uma vida simples e não dar escândalos ao Evangelho de Cristo.

Aqueles que reinam no mundo vivem para si mesmos e não para Deus, porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Rom. 14: 17), mas os que querem ser ricos no mundo cometem suicídio espiritual, pois caem nas tentações da carne e em laço satânico, e também em muitas concupiscências loucas e nocivas as quais submergem os homens na perdição e ruína, porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores (1 Tim. 6: 9,10).

O MANÁ DEVE SER COLHIDO TODOS OS DIAS (Êxodo 16: 4,14-21).

A colheita do Maná era feita diariamente conforme a necessidade de cada um; uns mais outros menos, não sobrava ao que colhia muito, nem faltava ao que pouco colhia. A interpretação deste símbolo é que cada crente colhe do “Pão do Céu” e da “provisão divina”, segundo a sua necessidade e segundo a medida da fé (Ef. 4: 7,13); o Senhor mesmo disse que o Pão que lhes dava a comer, os provaria se andavam conforme a Sua Lei (verso 4). Na oração do “Pai Nosso” Jesus nos ensina que Deus nos dá o pão suficiente para cada dia (Mat. 6: 11; Lucas 11: 3), não é para sobejar, pois o maná se fosse colhido além do que cada um podia comer, o que sobrava na manhã seguinte criava bichos e cheirava mal (verso 20).

No contexto espiritual o crente fiel deve comer do Pão do Céu (que é Cristo) todos os dias para ter a vida em si mesmo (João 6: 53). É certo que os meninos comem “porções” menores que os adultos, assim também se dá com a fé cristã, as crianças espirituais recebem porções diferentes dos adultos na fé, porém todos devem se alimentar de Cristo Jesus, uns para crescer Nele, outros para se manter Nele e todos para serem aperfeiçoados Nele (Ef. 4: 13).

... “Como está escrito: Ao que muito colheu, não sobrou; e ao que pouco colheu, não faltou” (2 Coríntios 8: 15).

L. M. S.

               

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

BEN ADAM – FILHO DO HOMEM.

Já procurei nos dicionários bíblicos, já procurei na internet e também na opinião de alguns entendidos das Escrituras, mas nunca encontrei uma resposta satisfatória para esta pergunta: “Por que Jesus refere a si mesmo como Filho do Homem”?

Recentemente estudei os primeiros capítulos de Gênesis e lá compreendi que a promessa de Deus destruir Satanás através de um dos descendentes de Adão e Eva (Gên. 3:15) ficou vívida na mente deles e, portanto, eles esperavam que a profecia se  cumprisse ainda nos seus dias para serem vingados do engodo da serpente.

Eva, ao dar à luz seu primogênito, pensou que o “vingador” enviado por Deus havia nascido, pois ela mesma disse: “Alcancei um varão com auxílio do Senhor” (Gên. 4:1); e o nome de Caim tem o significado de “possessão” ou “aquisição”. Mais tarde, na idade adulta, o próprio Caim achou isso e, ensoberbecido, ofereceu “do fruto da terra” o “fruto do seu trabalho”, pois era agricultor; talvez ele tenha pensado consigo mesmo: “Eu sou o descendente da mulher, eu sou o escolhido por Deus para ferir a cabeça da serpente”. Mas Deus não se agradou nem dele e nem da sua oferta, mas atentou para Abel e seu sacrifício, porque o Senhor olha para o coração, visto que é o altar que santifica a oferta e não o contrário (Mat. 23: 19). Por isso, invejoso de seu irmão, o matou. Depois destas coisas Eva concebe novamente de seu marido e dá à luz Sete, um filho conforme a imagem e semelhança de Adão, fato que renova as esperanças do primeiro casal de humanos.

A promessa de um “filho do homem”, de um “descendente de Adão” que derrotaria Satanás, percorre por toda a Escritura Sagrada – a Lei e os Profetas O anunciaram – mas ela não se realizou nos filhos de Sete, e não se cumpriu em Noé, pois pela corrupção de toda a humanidade, Deus mandou o dilúvio. Parecia que o diabo havia vencido mais uma vez.

Após o batismo do mundo, Deus abençoa Noé e seus filhos e a Palavra de Deus é revivida nos descendentes de Sem, depois em Abraão, em Isaque, em Jacó e em Israel (nação). Mas, decorridos quatrocentos de anos silêncio entre o Velho e o Novo Testamento, uma virgem concebe do Espírito Santo e dá à luz o “Emanuel”; e o anjo do Senhor lhe diz: “E porás o seu Nome Jesus, porque ELE SALVARÁ O MEU POVO DOS SEUS PECADOS”.

Eis o porquê de Jesus referir-se como “Ben Adam”, o “Filho do Homem”; o filho esperado de Adão até Noé, de Sem até Abraão, de Isaque a Israel, dos juízes a Davi, dos profetas a João Batista; e este, sendo o último dos profetas, ao ver Jesus Cristo declarou: “Eis o Cordeiro de Deus”! (João 1: 36).

Alguns podem questionar minha afirmação acima, porque dizem que da “semente da mulher” nasceria o Cristo, isto é, sem a semente do homem, porém o apóstolo Paulo, em 1 Cor. 11:12, diz que assim como a mulher provem do homem, o homem nasce da mulher, mas tudo vem de Deus; Eva foi criada a partir de Adão, então a semente dele estava nela e em todos os que deles  descenderam, contudo, no ventre de Maria, o sêmen corrupto dos filhos de Adão foi substituído pela semente incorruptível de Deus, visto que o “Ente Santo” gerado era do Espírito Santo (Mateus 1: 20; Lucas 1: 35).  

O primeiro homem, Adão, é terreno, o segundo homem, Cristo, é do céu; não o primeiro espiritual, senão natural; assim como trouxemos a imagem do natural (Adão) traremos também a imagem do celestial (Cristo) (1 Cor. 15: 46-49).

Deixemos de apenas “arranhar” a superfície das Escrituras, pois o Espírito Santo tem muito mais a ensinar do que aquilo que a mera visão humana pode alcançar.

L. M. S. 

terça-feira, 2 de agosto de 2016

AS LIÇÕES QUE NÃO APRENDEMOS.

Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar.
E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar,
E todos comeram de uma mesma comida espiritual,
E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo.
Mas Deus não se agradou da maior parte deles, por isso foram prostrados no deserto.
E estas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.
Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar.
E não nos forniquemos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil.
E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram, e pereceram pelas serpentes.
E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor.
Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.

NÃO VOS FAÇAIS, POIS, IDÓLATRAS, COMO ALGUNS DELES, CONFORME ESTÁ ESCRITO: O POVO ASSENTOU-SE A COMER E A BEBER, E LEVANTOU-SE PARA FOLGAR.

Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão, e disse-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe sucedeu.
E Arão lhes disse: Arrancai os pendentes de ouro, que estão nas orelhas de vossas mulheres, e de vossos filhos, e de vossas filhas, e trazei-mos.
Então todo o povo arrancou os pendentes de ouro, que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Arão.
E ele os tomou das suas mãos, e trabalhou o ouro com um buril, e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
E Arão, vendo isto, edificou um altar diante dele; e apregoou Arão, e disse: Amanhã será festa ao Senhor.
E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois levantou-se a folgar.
Então disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste subir do Egito, se tem corrompido,
E depressa se tem desviado do caminho que eu lhe tinha ordenado; eles fizeram para si um bezerro de fundição, e perante ele se inclinaram, e ofereceram-lhe sacrifícios, e disseram: Este é o teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
Disse mais o Senhor a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo de dura cerviz.
Êxodo 32:1-9

E NÃO NOS FORNIQUEMOS, COMO ALGUNS DELES FIZERAM; E CAÍRAM NUM DIA VINTE E TRÊS MIL.

E Israel deteve-se em Sitim e o povo começou a prostituir-se com as filhas dos moabitas.
Elas convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses; e o povo comeu, e inclinou-se aos seus deuses.
Juntando-se, pois, Israel a Baal-peor, a ira do Senhor se acendeu contra Israel.
Disse o Senhor a Moisés: Toma todos os cabeças do povo, e enforca-os ao Senhor diante do sol, e o ardor da ira do Senhor se retirará de Israel.
Então Moisés disse aos juízes de Israel: Cada um mate os seus homens que se juntaram a Baal-peor.
E eis que veio um homem dos filhos de Israel, e trouxe a seus irmãos uma midianita, à vista de Moisés, e à vista de toda a congregação dos filhos de Israel, chorando eles diante da tenda da congregação.
Vendo isso Finéias, filho de Eleazar, o filho de Arão, sacerdote, se levantou do meio da congregação, e tomou uma lança na sua mão;
E foi após o homem israelita até à tenda, e os atravessou a ambos, ao homem israelita e à mulher, pelo ventre; então a praga cessou de sobre os filhos de Israel.
E os que morreram daquela praga foram vinte e quatro mil.
Números 25:1-9

E NÃO TENTEMOS A CRISTO, COMO ALGUNS DELES TAMBÉM TENTARAM, E PERECERAM PELAS SERPENTES.

Então partiram do monte Hor, pelo caminho do Mar Vermelho, a rodear a terra de Edom; porém a alma do povo angustiou-se naquele caminho.
E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito para que morrêssemos neste deserto? Pois aqui nem pão nem água há; e a nossa alma tem fastio deste pão tão vil.
Então o Senhor mandou entre o povo serpentes ardentes, que picaram o povo; e morreu muita gente em Israel.
Números 21:4-6

E NÃO MURMUREIS, COMO TAMBÉM ALGUNS DELES MURMURARAM, E PERECERAM PELO DESTRUIDOR.

E aconteceu que, queixou-se o povo falando o que era mal aos ouvidos do SENHOR; e ouvindo o SENHOR a sua ira se acendeu; e o fogo do SENHOR ardeu entre eles e consumiu os que estavam na última parte do arraial.
Então o povo clamou a Moisés, e Moisés orou ao Senhor, e o fogo se apagou.
Pelo que chamou aquele lugar Taberá, porquanto o fogo do Senhor se acendera entre eles.
Números 11:1-3

E ESTAS COISAS FORAM-NOS FEITAS EM FIGURA, PARA QUE NÃO COBICEMOS AS COISAS MÁS, COMO ELES COBIÇARAM.

E o vulgo, que estava no meio deles, veio a ter grande desejo; pelo que os filhos de Israel tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer?
Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça; e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das cebolas, e dos alhos.
Mas agora a nossa alma se seca; coisa nenhuma há senão este maná diante dos nossos olhos.
Números 11:4-6

E dirás ao povo: Santificai-vos para amanhã, e comereis carne; porquanto chorastes aos ouvidos do Senhor, dizendo: Quem nos dará carne a comer? Pois íamos bem no Egito; por isso o Senhor vos dará carne, e comereis;
Não comereis um dia, nem dois dias, nem cinco dias, nem dez dias, nem vinte dias;
Mas um mês inteiro, até vos sair pelas narinas, até que vos enfastieis dela; porquanto rejeitastes ao Senhor, que está no meio de vós, e chorastes diante dele, dizendo: Por que saímos do Egito?
Números 11:18-20

ORA, TUDO ISTO LHES SOBREVEIO COMO FIGURAS, E ESTÃO ESCRITAS PARA AVISO NOSSO, PARA QUEM JÁ SÃO CHEGADOS OS FINS DOS SÉCULOS.


L. M. S.