MANANCIAL

MANANCIAL
"Jardim fechado és tu, minha irmã, esposa minha, manancial fechado, fonte selada". (Cânticos 4:12)

sábado, 20 de agosto de 2016

AINDA EXISTE SACERDOTES?

É certo que na Nova Aliança, o sacerdócio não está mais restrito a uma classe, pois todos os crentes são feitos em Cristo o reino e sacerdotes para Deus Pai (Apoc. 1: 6). Porém, Deus ainda conservou na Igreja os “ministros da Palavra” visando o aperfeiçoamento dos santos (Ef. 4: 11-14). Estes ministros são as “juntas e ligaduras” do Corpo do Senhor (Col. 2:19) para que os Seus membros sejam bem ajustados e assim cresçam para a glória de Deus.

Números capítulo dezoito trata dos deveres e direitos dos sacerdotes de Israel e pode servir de parâmetro no que concerne à vida ministerial do Evangelho. Uma das coisas que tem peso sobre os que ministram a Palavra ao rebanho de Deus é o ensino correto das Escrituras Sagradas, pois se este ensino for enganoso, pior será para quem o ministrar, visto que os mestres receberão o mais duro juízo (Tiago 3:1), assim como está escrito que Arão e seus filhos levariam a “iniquidade do santuário” e do sacerdócio (Números 18: 1), porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca devem os homens buscar a lei, porque ele é o mensageiro do Senhor dos Exércitos (Malaquias 2:7).

Arão e seus filhos atenderiam a tudo referente ao altar e ao que estava além do véu, porque este era o seu serviço, o sacerdócio, o qual Deus lhes entregara por ofício como dádiva (Núm. 18: 7). Assim como eles comiam do que se oferecia no altar, das ofertas dos filhos de Israel, também os ministros que cuidam das ovelhas do Senhor, podem participar do que os crentes ofertam, porém a Escritura diz: “No lugar santíssimo o comerás”... (verso 10); isto quer dizer: nunca nos prazeres mundanos, nunca no conforto terreno, mas no labor da obra evangélica; pois também diz a mesma Escritura: “Na sua terra herança nenhuma terás e no meio deles nenhuma porção terás. Eu Sou a tua porção e a tua herança”... (verso 20). E o verso 11 do mesmo capítulo acrescenta: “Todo o que estiver limpo na tua casa a comerá”.

O obreiro fiel a Cristo é digno do seu salário. Salário na Bíblia quer dizer jornal (Mat. 20: 8), o sustento para um dia de serviço que supra as necessidades materiais; portanto, quem quer ser um ministro do Senhor deve acomodar-se a uma vida simples e não dar escândalos ao Evangelho de Cristo.

Aqueles que reinam no mundo vivem para si mesmos e não para Deus, porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Rom. 14: 17), mas os que querem ser ricos no mundo cometem suicídio espiritual, pois caem nas tentações da carne e em laço satânico, e também em muitas concupiscências loucas e nocivas as quais submergem os homens na perdição e ruína, porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores (1 Tim. 6: 9,10).

O MANÁ DEVE SER COLHIDO TODOS OS DIAS (Êxodo 16: 4,14-21).

A colheita do Maná era feita diariamente conforme a necessidade de cada um; uns mais outros menos, não sobrava ao que colhia muito, nem faltava ao que pouco colhia. A interpretação deste símbolo é que cada crente colhe do “Pão do Céu” e da “provisão divina”, segundo a sua necessidade e segundo a medida da fé (Ef. 4: 7,13); o Senhor mesmo disse que o Pão que lhes dava a comer, os provaria se andavam conforme a Sua Lei (verso 4). Na oração do “Pai Nosso” Jesus nos ensina que Deus nos dá o pão suficiente para cada dia (Mat. 6: 11; Lucas 11: 3), não é para sobejar, pois o maná se fosse colhido além do que cada um podia comer, o que sobrava na manhã seguinte criava bichos e cheirava mal (verso 20).

No contexto espiritual o crente fiel deve comer do Pão do Céu (que é Cristo) todos os dias para ter a vida em si mesmo (João 6: 53). É certo que os meninos comem “porções” menores que os adultos, assim também se dá com a fé cristã, as crianças espirituais recebem porções diferentes dos adultos na fé, porém todos devem se alimentar de Cristo Jesus, uns para crescer Nele, outros para se manter Nele e todos para serem aperfeiçoados Nele (Ef. 4: 13).

... “Como está escrito: Ao que muito colheu, não sobrou; e ao que pouco colheu, não faltou” (2 Coríntios 8: 15).

L. M. S.

               

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

BEN ADAM – FILHO DO HOMEM.

Já procurei nos dicionários bíblicos, já procurei na internet e também na opinião de alguns entendidos das Escrituras, mas nunca encontrei uma resposta satisfatória para esta pergunta: “Por que Jesus refere a si mesmo como Filho do Homem”?

Recentemente estudei os primeiros capítulos de Gênesis e lá compreendi que a promessa de Deus destruir Satanás através de um dos descendentes de Adão e Eva (Gên. 3:15) ficou vívida na mente deles e, portanto, eles esperavam que a profecia se  cumprisse ainda nos seus dias para serem vingados do engodo da serpente.

Eva, ao dar à luz seu primogênito, pensou que o “vingador” enviado por Deus havia nascido, pois ela mesma disse: “Alcancei um varão com auxílio do Senhor” (Gên. 4:1); e o nome de Caim tem o significado de “possessão” ou “aquisição”. Mais tarde, na idade adulta, o próprio Caim achou isso e, ensoberbecido, ofereceu “do fruto da terra” o “fruto do seu trabalho”, pois era agricultor; talvez ele tenha pensado consigo mesmo: “Eu sou o descendente da mulher, eu sou o escolhido por Deus para ferir a cabeça da serpente”. Mas Deus não se agradou nem dele e nem da sua oferta, mas atentou para Abel e seu sacrifício, porque o Senhor olha para o coração, visto que é o altar que santifica a oferta e não o contrário (Mat. 23: 19). Por isso, invejoso de seu irmão, o matou. Depois destas coisas Eva concebe novamente de seu marido e dá à luz Sete, um filho conforme a imagem e semelhança de Adão, fato que renova as esperanças do primeiro casal de humanos.

A promessa de um “filho do homem”, de um “descendente de Adão” que derrotaria Satanás, percorre por toda a Escritura Sagrada – a Lei e os Profetas O anunciaram – mas ela não se realizou nos filhos de Sete, e não se cumpriu em Noé, pois pela corrupção de toda a humanidade, Deus mandou o dilúvio. Parecia que o diabo havia vencido mais uma vez.

Após o batismo do mundo, Deus abençoa Noé e seus filhos e a Palavra de Deus é revivida nos descendentes de Sem, depois em Abraão, em Isaque, em Jacó e em Israel (nação). Mas, decorridos quatrocentos de anos silêncio entre o Velho e o Novo Testamento, uma virgem concebe do Espírito Santo e dá à luz o “Emanuel”; e o anjo do Senhor lhe diz: “E porás o seu Nome Jesus, porque ELE SALVARÁ O MEU POVO DOS SEUS PECADOS”.

Eis o porquê de Jesus referir-se como “Ben Adam”, o “Filho do Homem”; o filho esperado de Adão até Noé, de Sem até Abraão, de Isaque a Israel, dos juízes a Davi, dos profetas a João Batista; e este, sendo o último dos profetas, ao ver Jesus Cristo declarou: “Eis o Cordeiro de Deus”! (João 1: 36).

Alguns podem questionar minha afirmação acima, porque dizem que da “semente da mulher” nasceria o Cristo, isto é, sem a semente do homem, porém o apóstolo Paulo, em 1 Cor. 11:12, diz que assim como a mulher provem do homem, o homem nasce da mulher, mas tudo vem de Deus; Eva foi criada a partir de Adão, então a semente dele estava nela e em todos os que deles  descenderam, contudo, no ventre de Maria, o sêmen corrupto dos filhos de Adão foi substituído pela semente incorruptível de Deus, visto que o “Ente Santo” gerado era do Espírito Santo (Mateus 1: 20; Lucas 1: 35).  

O primeiro homem, Adão, é terreno, o segundo homem, Cristo, é do céu; não o primeiro espiritual, senão natural; assim como trouxemos a imagem do natural (Adão) traremos também a imagem do celestial (Cristo) (1 Cor. 15: 46-49).

Deixemos de apenas “arranhar” a superfície das Escrituras, pois o Espírito Santo tem muito mais a ensinar do que aquilo que a mera visão humana pode alcançar.

L. M. S. 

terça-feira, 2 de agosto de 2016

AS LIÇÕES QUE NÃO APRENDEMOS.

Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar.
E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar,
E todos comeram de uma mesma comida espiritual,
E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo.
Mas Deus não se agradou da maior parte deles, por isso foram prostrados no deserto.
E estas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.
Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar.
E não nos forniquemos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil.
E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram, e pereceram pelas serpentes.
E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor.
Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.

NÃO VOS FAÇAIS, POIS, IDÓLATRAS, COMO ALGUNS DELES, CONFORME ESTÁ ESCRITO: O POVO ASSENTOU-SE A COMER E A BEBER, E LEVANTOU-SE PARA FOLGAR.

Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão, e disse-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe sucedeu.
E Arão lhes disse: Arrancai os pendentes de ouro, que estão nas orelhas de vossas mulheres, e de vossos filhos, e de vossas filhas, e trazei-mos.
Então todo o povo arrancou os pendentes de ouro, que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Arão.
E ele os tomou das suas mãos, e trabalhou o ouro com um buril, e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
E Arão, vendo isto, edificou um altar diante dele; e apregoou Arão, e disse: Amanhã será festa ao Senhor.
E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois levantou-se a folgar.
Então disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste subir do Egito, se tem corrompido,
E depressa se tem desviado do caminho que eu lhe tinha ordenado; eles fizeram para si um bezerro de fundição, e perante ele se inclinaram, e ofereceram-lhe sacrifícios, e disseram: Este é o teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
Disse mais o Senhor a Moisés: Tenho visto a este povo, e eis que é povo de dura cerviz.
Êxodo 32:1-9

E NÃO NOS FORNIQUEMOS, COMO ALGUNS DELES FIZERAM; E CAÍRAM NUM DIA VINTE E TRÊS MIL.

E Israel deteve-se em Sitim e o povo começou a prostituir-se com as filhas dos moabitas.
Elas convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses; e o povo comeu, e inclinou-se aos seus deuses.
Juntando-se, pois, Israel a Baal-peor, a ira do Senhor se acendeu contra Israel.
Disse o Senhor a Moisés: Toma todos os cabeças do povo, e enforca-os ao Senhor diante do sol, e o ardor da ira do Senhor se retirará de Israel.
Então Moisés disse aos juízes de Israel: Cada um mate os seus homens que se juntaram a Baal-peor.
E eis que veio um homem dos filhos de Israel, e trouxe a seus irmãos uma midianita, à vista de Moisés, e à vista de toda a congregação dos filhos de Israel, chorando eles diante da tenda da congregação.
Vendo isso Finéias, filho de Eleazar, o filho de Arão, sacerdote, se levantou do meio da congregação, e tomou uma lança na sua mão;
E foi após o homem israelita até à tenda, e os atravessou a ambos, ao homem israelita e à mulher, pelo ventre; então a praga cessou de sobre os filhos de Israel.
E os que morreram daquela praga foram vinte e quatro mil.
Números 25:1-9

E NÃO TENTEMOS A CRISTO, COMO ALGUNS DELES TAMBÉM TENTARAM, E PERECERAM PELAS SERPENTES.

Então partiram do monte Hor, pelo caminho do Mar Vermelho, a rodear a terra de Edom; porém a alma do povo angustiou-se naquele caminho.
E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito para que morrêssemos neste deserto? Pois aqui nem pão nem água há; e a nossa alma tem fastio deste pão tão vil.
Então o Senhor mandou entre o povo serpentes ardentes, que picaram o povo; e morreu muita gente em Israel.
Números 21:4-6

E NÃO MURMUREIS, COMO TAMBÉM ALGUNS DELES MURMURARAM, E PERECERAM PELO DESTRUIDOR.

E aconteceu que, queixou-se o povo falando o que era mal aos ouvidos do SENHOR; e ouvindo o SENHOR a sua ira se acendeu; e o fogo do SENHOR ardeu entre eles e consumiu os que estavam na última parte do arraial.
Então o povo clamou a Moisés, e Moisés orou ao Senhor, e o fogo se apagou.
Pelo que chamou aquele lugar Taberá, porquanto o fogo do Senhor se acendera entre eles.
Números 11:1-3

E ESTAS COISAS FORAM-NOS FEITAS EM FIGURA, PARA QUE NÃO COBICEMOS AS COISAS MÁS, COMO ELES COBIÇARAM.

E o vulgo, que estava no meio deles, veio a ter grande desejo; pelo que os filhos de Israel tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer?
Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça; e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das cebolas, e dos alhos.
Mas agora a nossa alma se seca; coisa nenhuma há senão este maná diante dos nossos olhos.
Números 11:4-6

E dirás ao povo: Santificai-vos para amanhã, e comereis carne; porquanto chorastes aos ouvidos do Senhor, dizendo: Quem nos dará carne a comer? Pois íamos bem no Egito; por isso o Senhor vos dará carne, e comereis;
Não comereis um dia, nem dois dias, nem cinco dias, nem dez dias, nem vinte dias;
Mas um mês inteiro, até vos sair pelas narinas, até que vos enfastieis dela; porquanto rejeitastes ao Senhor, que está no meio de vós, e chorastes diante dele, dizendo: Por que saímos do Egito?
Números 11:18-20

ORA, TUDO ISTO LHES SOBREVEIO COMO FIGURAS, E ESTÃO ESCRITAS PARA AVISO NOSSO, PARA QUEM JÁ SÃO CHEGADOS OS FINS DOS SÉCULOS.


L. M. S.



segunda-feira, 1 de agosto de 2016

EU SOU O SENHOR E FORA DE MIM NÃO HÁ SALVADOR. (Isaías 43: 11).

E que eu seja achado Nele, isento da justiça própria... (Fil. 3: 9).

Deus é três vezes santo (Apoc. 4: 8).

Aquele que diz estar Nele deve andar como Ele andou (1 João 2:6).

Viver um cristianismo de qualquer jeito não é um bom sinal, pois ter nome de cristão qualquer um pode ter, porém o crente verdadeiro vive esse nome para honrar o Nome do Senhor Jesus Cristo.

Crês tu em Deus? Os demônios também creem! Reconheces a Jesus Cristo de Senhor? Satanás também! Mas, nem todo o que Lhe diz: Senhor, Senhor; entrará no Reino dos Céus, e sim aquele que faz a vontade do Pai que está nos Céus (Mat. 7: 21 e 8: 29; Mar. 1: 34; Tiago 2: 19).  

Tu dizes que tens fé? Então mostre a tua fé pelas boas obras, para que assim, o teu Senhor seja louvado até no meio dos incrédulos; a fé sem a prática é vã; a fé sem as obras é morta (Tiago 1: 22 e cap. 2: 17,18).

Todo aquele que a si mesmo se exaltar será humilhado, e todo o que a si mesmo se humilhar, esse será exaltado (Mat. 23: 12; Lev. 23: 29). Tem gente achando que é alguma coisa sem ser, na verdade, nada. Na arrogância dos homens está a sua ruína (Prov. 16: 18). Uns dizem: Ah! Eu sou Calvinista; sou predestinado ao Céu, não preciso das obras, cri e por isso já estou justificado e não preciso abdicar de nada na minha vida... Ledo engano! Jesus disse que quem quiser segui-Lo de antes de tudo “negar-se a si mesmo”. Porque é somente bem-aventurado, o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, que não se detém no caminho dos pecadores, e nem se assenta na roda dos escarnecedores, antes tem o seu prazer na lei do Senhor e nela medita de dia e de noite (Salmo 1: 1,2); porque por meio de muitas tribulações nos é necessário entrar no Reino do Céu (Atos 12: 22; 1 Pedro 4: 18).  

Negar-se a si mesmo é dizer “não” para nós mesmos; não para as nossas vontades e sim para a vontade de Deus; não para preguiça, não para torpeza, não para a zombaria, não para a cobiça, não para a maledicência, não para a sensualidade, não para o adultério, não para a vingança, não para o rancor, não para a justiça própria, não para as honras e glórias do mundo, não para a injustiça, não para a avareza, não para a idolatria, não para a teimosia e não para a soberba.

O verdadeiro predestinado ao céu não vive na carne, mas no Espírito (Gál. 5: 25); e não se inclina para as coisas deste mundo, mas para as coisas do céu (1 João 3: 3,6); de sorte que não se regozija na carne, mas no Espírito; porque é Deus quem nele efetua, tanto o querer como o fazer (Fil. 2: 13). Arminianismo, calvinismo ou judaísmo são partidos e não fé (Fil. 2: 3), mas o justo viverá por fé (Rom. 1: 17) e não por partidos. Porque só vive a verdadeira fé e circuncisão, quem adora a Deus no Espírito e se gloria em Cristo Jesus, não confiando na carne (Fil. 3: 3), por isso busca ser achado em Cristo, não em si mesmo, não na própria justiça, mas na justiça baseada na fé em Jesus Cristo (Fil. 3: 9) e para serem obedientes por meio dessa fé, pois ao crente foi concedida a graça de não somente crer Nele, mas também padecer por Ele (Fil. 1: 29).

Os que criam partidos na Igreja não são de Cristo, mas dos partidos, visto que eles mesmos dizem: Eu sou calvinista; e outro diz: Sou arminiano; e outro: Sou judeu; e ainda outro diz: Sou pentecostal. Sois da carne e não do Espírito! Os predestinados ao céu foram chamados para serem santos e isto implica renúncia na carne, pois a carne não quer a santidade, a carne não quer a perfeição. Se os que buscam coroas corruptíveis em tudo se dominam; que dirá daqueles que buscam a incorruptível coroa da vida eterna? Aqueles que vivem ao seu bel prazer já negaram a sua fé e não a si mesmo.   

Você se acha predestinado ao céu? Então tome por regra estes versos: Segui a “paz com todos”, e a “santificação”, sem a qual “ninguém” verá o Senhor (Hebreus 12: 14). Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que “não pense de si mesmo” além do que convém; antes, “pense com moderação”, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um (Rom. 12: 3). Portanto diz a Escritura: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes (Tiago 4: 6).

Negar-se a si mesmo é negar-se aos “direitos” que pela liberdade da fé em Cristo pensamos ter, é ter prazer na vontade de Deus, é amar a santidade que Dele emana, é procurar em tudo ser-Lhe agradável, é perder a vida neste mundo para achá-la com Cristo no Dia do Senhor.


L. M. S.  

domingo, 31 de julho de 2016

E OS FILHOS DE DEUS OLHARAM PARA AS FILHAS DOS HOMENS.

Andarão dois juntos se não estiverem de acordo? (Amós 3:3).

Gênesis cap. 6 é, sem querer fazer um trocadilho, o divisor de águas na história dos antediluvianos, pois nele se pode entender a causa da corrupção total gênero humano. Os seus versos iniciais dizem que por se multiplicarem os homens sobre a face da Terra e lhes nascerem filhas, os filhos de Deus “viram” que as filhas dos homens eram formosas, e as tomaram como esposas. Então entendemos claramente que a corrupção geral da raça humana se dá pela sedução dos homens tementes a Deus que foram atraídos pelas belas filhas dos homens, visto que até aquele ponto ainda existia uma diferença entre luz e trevas, entre figos e abrolhos, entre vides e espinheiros, entre água doce e amargosa, entre os filhos de Deus e os filhos dos homens.

É preciso notar que a completude da carne do homem se dá na mulher, pois ela é osso dos seus ossos e carne da sua carne, é chamada de varoa porque do varão foi tomada, e porque deixará o homem seu pai e sua mãe e unir-se-á a sua esposa, e serão ambos uma carne (Gênesis 2: 21-24). 

Portanto o desejo carnal do homem se satisfaz na mulher, pois Deus disse à mulher: “... o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará” (Gênesis 3: 16). Sendo assim, fica evidente a atração natural que existe nos homens pela beleza feminina, a qual impulsiona o mundo masculino às muitas empreitadas na busca pela sua satisfação sexual na mulher.

Outra coisa importante observada na história de Adão e Eva com relação à sua queda, é que os “seus olhos” se abriram somente quando Adão comeu do fruto proibido; veja: E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; TOMOU DO SEU FRUTO, E COMEU, E DEU TAMBÉM A SEU MARIDO, E ELE COMEU COM ELA. ENTÃO FORAM ABERTOS OS OLHOS DE AMBOS, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. (Gênesis 3: 6,7).

Se Adão não tivesse comido o fruto com ela creio que o pecado da desobediência não se teria consumado, isto é algo para se meditar.

A atração e afeição chegam, algumas vezes, à beira da irracionalidade, isto fica evidente na comoção do homem pelo choro de uma mulher, assim como Sansão que revelou seu enigma à sua mulher por causa dela o importunar durante sete dias chorando aos seus ouvidos (Juízes 14: 16,17). Aliás, Sansão é um bom exemplo da fraqueza masculina aos atributos femininos, pois ele foi enganado pela mulher que tomou para si como esposa sabendo que ela descendia de um povo inimigo (Juízes 13: 1; 14: 1,2), e sendo ele um nazireu designado por Deus para ser santo (Juízes 13: 5), deitou-se com uma prostituta (Juízes 16: 1) e depois disso afeiçoou-se à Dalila, e revelou-lhe o segredo de sua grande força, ato que antecedeu a sua ruína (Juízes 16: 17-21).

Outro fato narrado nas Escrituras que denotam o desvio de um homem por causa da mulher, neste caso específico: mulheres; é a vida de Salomão que amou muitas mulheres estrangeiras tomando-as por esposas. Elas perverteram o seu coração fazendo-o curvar-se aos seus deuses. O rei mais sábio da história tornou-se insensato seduzido pelas beldades moabitas, edomitas, heteias, sidônias e amonitas.

E o rei Salomão AMOU MUITAS MULHERES ESTRANGEIRAS, além da filha de Faraó: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, das nações de que o Senhor tinha falado aos filhos de Israel: NÃO CHEGAREIS A ELAS, E ELAS NÃO CHEGARÃO A VÓS; DE OUTRA MANEIRA PERVERTERÃO O VOSSO CORAÇÃO PARA SEGUIRDES OS SEUS DEUSES. A estas SE UNIU SALOMÃO COM AMOR. E tinha setecentas mulheres, princesas, e trezentas concubinas; e SUAS MULHERES LHE PERVERTERAM O CORAÇÃO. Porque sucedeu que, no tempo da velhice de Salomão, SUAS MULHERES LHE PERVERTERAM O CORAÇÃO PARA SEGUIR OUTROS DEUSES; e o seu coração não era perfeito para com o Senhor seu Deus, como o coração de Davi, seu pai, porque Salomão seguiu a Astarote, deusa dos sidônios, e Milcom, a abominação dos amonitas. (1 Reis 11: 1-5).

ENGANOSO É O CORAÇÃO DO HOMEM; QUEM O CONHECERÁ?

Acabe rei de Israel (reino do norte – Samaria) foi um homem controlado por sua perversa mulher Jezabel, filha do rei Etbaal, princesa dos sidônios, a qual ele desposou em aliança com Sidom. Jezabel tornou-se o braço por traz do trono em Samaria, e Acabe, seguindo pelo mesmo caminho de Jeroboão, e seduzido pelos encantos de sua esposa, erigiu casa e altar a Baal estabelecendo o seu culto em Israel (1 Reis 16: 31,32). Apesar de Acabe ser um homem dividido entre as profecias de Elias e a beleza de Jezabel, ele escolheu deixar que sua esposa comandasse o seu reino como bem quis (1 Reis 18; 19: 1-3).

E sucedeu que, vendo Jorão a Jeú, disse: Há paz, Jeú? E disse ele: Que paz, enquanto as prostituições da tua mãe Jezabel e as suas feitiçarias são tantas? (2 Reis 9: 22).

Jezabel era mulher perita na arte da sedução, de tanto que até no Livro do Apocalipse ela é citada na carta à Igreja de Tiatira, como símbolo da corrupção dos servos de Deus por seus ensinos e enganos; ensinos estes que levam os crentes a comungar da idolatria e da prostituição (Apoc. 2: 20-22). Mas também no Livro dos Reis de Israel vemos sua má intenção mais evidente, quando Jezabel pinta seus olhos, adorna seus cabelos e olha pela janela para tentar atrair Jeú. No entanto, ele não se deixou cair pela sua artimanha, mas ordenou os eunucos que a atirassem pela janela, e ela, lançada ao chão, foi atropelada por seu carro (2 Reis 9: 30-33).  

Outra curiosidade de Gênesis relaciona-se com a idade que dos filhos de Deus (geração de Sete até Noé) geraram filhos. Vejamos: Sete viveu 105 anos e gerou a Enos, que viveu 90 anos e gerou Cainã, que viveu 70 anos e gerou Maalaleel, que viveu 65 anos e gerou a Jerede, que viveu 162 e gerou Enoque, que viveu 65 anos e gerou Matusalém, que viveu 187 anos e gerou a Lameque, que viveu 182 anos e gerou Noé, que viveu 500 anos e gerou Sem, Cam e Jafé.   

Estas são as gerações de Noé. Noé era homem justo e “perfeito em suas gerações”; Noé andava com Deus. (Gênesis 6: 9).   

Gênesis (cap. 5) nos mostra a linhagem dos filhos de Deus, e no cap. 6 está o relato da corrupção pela mistura entre gerações de filhos de Deus e dos homens, mas também lemos ali que havia uma geração não corrompida, a geração de Noé. O texto diz que Noé era “perfeito” em suas gerações (em outras traduções: íntegro = inteiro, completo, incorruptível), isto porque Sete, Enos, Cainã, Maalaleel, Jerede, Enoque, Matusalém, Lameque e Noé esperaram muitos anos até que houvessem mulheres tementes a Deus para desposá-las, diferentemente de seus irmãos que não se guardaram, mas cobiçaram para as formosas filhas dos homens e tomaram-nas para si. Deste ato carnal a humanidade toda se corrompeu, porque embora os pais pertencessem à geração eleita, as mães não. A Bíblia diz que dessa união surgiram os “valentes” da antiguidade, homens de fama, e a Terra encheu-se de violência (Gênesis 6: 4,5).  A decepção do Senhor Deus é visível quando Ele diz em Gênesis 6:3 assim: “Não permanecerá para sempre o Meu Espírito com o homem, pois ele é carnal...”

“Não vos prendais a um jugo desigual com infiéis" (2 Cor. 6: 14) quer dizer: não se unam com quem não comunga da mesma fé. Não deis aos cães as coisas santas e não jogueis aos porcos as vossas pérolas, para que eles não as pisem com os pés, e voltando-se não vos despedacem (Mateus 7: 6). “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Provérbios 9: 10). Ler as Escrituras sem esse “temor”, sem esse princípio, será como brincar com “a serpente”; sabem por quê? Porque Eva sabia do mandamento de Deus, mas sem conservar o “princípio da sabedoria”, ela aceitou uma segunda opinião. Parecem claros estes versos agora?

L. M. S.

                                             

COMO RESSUSCITAM OS MORTOS? E EM QUE CORPO ELES VÊM? (1 Cor. 15: 35).

Corpos celestes e corpos terrestres (verso 40)

Eclesiastes 12: 7 diz que o pó (carne) volta ao pó, como era antes de ser carne, e o espírito volta a Deus, pois o “fôlego” (espírito) de vida do homem foi dado por Deus quando Ele soprou nas narinas de Adão e este veio a ser alma vivente (Gên. 2). Bem! No cap. 3 de Eclesiastes está escrito que os “filhos dos homens” são como animais em si, que eles têm o mesmo fôlego de vida e vão todos ao mesmo lugar. Veja que quando Salomão usa a expressão “filhos dos homens”, ele está se referindo à geração dos que não temem a Deus, pois são os filhos dos homens que pervertem o direito e praticam as injustiças (no lugar do juízo havia impiedade e no lugar da justiça, iniquidade – verso 16) por isso a porção deles nesta vida é de “alegrarem-se” na embriaguez, na prostituição, na pornografia, nos vícios, nas violências, nas mentiras, no ódio, nos rancores, nas más intenções, nas palavras torpes e nos escárnios, pois eles andam e vivem nos caminhos da morte e não possuem herança para a vida eterna com Deus.

Se compararmos Ecl. 3: 15-22 com Gênesis 6: 1-7,11-13,17; entenderemos o porquê da expressão “filhos dos homens” no Livro do Pregador. Sendo assim, todos vão para o mesmo lugar: do pó ao pó; ou seja, no sangue dos animais está a sua “alma” (vida) e quando morre um destes seres viventes, tanto a sua carne quanto o seu sangue desce ao pó; no homem a sua vida está no seu espírito e na sua alma, pois os animais foram feitos alma vivente pela Palavra de Deus, mas o homem tornou-se alma vivente pelo “sopro” de Deus (Gên. 1: 20-24), então quando morre um dos “filhos dos homens”, o sopro de Deus (espírito) volta a Deus, mas sua alma desce com a sua carne ao pó (terra – inferno – hades), a carne se desfaz no pó e a alma vê a sua corrupção.

Depois da queda de Adão, ele e sua mulher geraram Caim e Abel. Caim matou seu irmão e por isso Deus lhe pôs uma “marca” a qual definiu toda a sua descendência, a saber, a linhagem dos “filhos dos homens”. Após isso, Eva concebe de seu marido e dá a luz a Sete, este mais tarde gera Enos e daí eles começam a invocar o Nome do Senhor, portanto destes saem os descendentes piedosos, a linhagem dos “filhos de Deus” (Gênesis 4: 1,2,8,11,15,16,25,26).

Quando se diz que a partir de Enos se começou a invocar o Nome do Senhor, importa-nos entender que Deus é Espírito e que só O adoraremos verdadeiramente no espírito (João 4: 24), pois o Seu “sopro de vida” permanece em nós desde Adão e este “fôlego de vida” é a ligação entre o homem e Deus, isto é, este “elo” (espírito) é o que nos torna semelhantes ao Pai (Façamos o homem à nossa imagem, “conforme a nossa semelhança” – Gên. 1: 26). Então a descendência piedosa de Sete conservou em si mesmo o fôlego de Deus preservando o espírito doado pelo Criador ao primeiro homem. E foi desta maneira que eles puderam invocar o Nome do Senhor.

Caim e seus filhos quebraram o elo que os ligava ao Senhor e não preservaram neles o “fôlego de Deus”, antes, eles destruíram esse “contato” com o Criador entregando-se ao pecado, pois a Bíblia diz que Caim “retirou-se” da presença do Senhor (Gên. 4: 16) e a seguir temos a descrição de sua linhagem até a 5ª geração, a de Lameque, homem bígamo, homicida e blasfemo (versos 19,23,24). Eis os frutos dos filhos dos homens: cardos e espinhos (Gên. 3: 18).

Hebreus 6: 8. Mas a terra que produz espinhos e abrolhos é reprovada, e perto está da maldição; o seu fim é ser queimada.

Mateus 7: 16. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?

OS PECADOS DE LAMEQUE.

BIGAMIA – A bigamia é desobediência a Deus, pois contraria o que foi estabelecido em Gên. 2: 18-24 (deixará o homem seu pai e sua mãe e unir-se-á a sua mulher e ambos serão uma só carne – Mat. 19: 5).

HOMICÍDIO – Sendo descendente de um homicida, Lameque fez o que lhe é próprio, e se Caim, seu ancestral, matou um homem, ele, Lameque matou dois, um por feri-lo e outro por pisá-lo. Os medos de Caim se cumpriram nos seus descendentes: “Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei; e serei fugitivo e vagabundo na terra, E SERÁ QUE TODO AQUELE QUE ME ACHAR, ME MATARÁ” (Gên. 4: 14). Uma geração de homicidas, a geração dos filhos dos homens.

BLASFÊMIA – Somente os que são de Deus compreendem as coisas de Deus, pois o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido, mas aqueles que não têm o Espírito de Deus não podem discernir Sua Palavra, visto que o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parece loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente (1 Cor. 2:14,15). Assim é a Palavra de Deus na boca e no entendimento daqueles que não “nasceram de novo”, naqueles que não nasceram da água e do Espírito (João 3:1-21). Lameque deturpou a sentença que Deus determinou a Caim justamente porque o espírito de vida do Criador, o elo, o contato com Deus estava morto e “inerte” nele e por isso ele não entendeu a Palavra do Senhor. “Como o espinho que entra na mão do bêbado, assim é o provérbio na boca dos tolos” (Provérbios 26: 9).

Precisamos entender uma coisa, são as obras que definem ou manifestam quem é quem. É pelo “fruto” que se conhece a árvore; espinheiro não dá uvas, abrolhos não produzem figos; por isso a fé sem as obras é morta, pois é uma falsa fé, da boca prá fora, proclamada, mas não praticada; anunciada, mas não vivida. Nem todo o que chama Jesus Cristo de Senhor o faz de coração, porém aquele que o faz verdadeiramente, O glorificará com as boas obras da fé. Simples assim!

TEMEI AQUELE QUE PODE FAZER PERECER A ALMA E O CORPO NO INFERNO (Mateus 10: 28).

Jesus disse para não temer os matam o corpo carnal, mas não podem destruir a alma, porém nós devemos temer a Deus que pode fazer as duas coisas, matar a carne e fazer perecer eternamente no inferno o corpo e a alma do homem. O autor da Epístola Aos Hebreus escreveu que nós não somos daqueles que retrocedem para a perdição, mas dos que creem para a “conservação” da alma (Hebreus 10: 39).

Paulo também nos diz em sua epístola que tanto o espírito como a alma e o corpo daqueles que têm fé em Jesus serão “guardados” irrepreensíveis para o dia da vinda de Cristo (1 Tessalonicenses 5: 23). Então podemos entender que os ímpios na ressurreição dos mortos não terão um corpo trino (espírito, alma e corpo), mas apenas suas almas (corpo e alma corrompidos) separadas de Deus e condenadas ao sofrimento eterno; contudo, os justos terão um corpo glorificado onde o espírito a alma e o corpo serão ressurretos irrepreensíveis, santos e puros, à imagem de Cristo Jesus o nosso Senhor. Amém!

L. M. S.


A CRUZ.

O que é a cruz? Ela é o símbolo da morte pela maldição do pecado, pois na cruz eram condenados à morte todos os rebeldes às leis, nela os transgressores recebiam a justa punição segundo a justiça humana. Destarte a cruz é a sentença que, na carne, cada homem ou mulher carrega em si, porque ela lança em rosto as fraquezas da carne, e é por isso não há arrependimento verdadeiro, nem conversão genuína, sem que o pecador confesse seu pecado e assuma a sua cruz admitindo a totalidade da corrupção a que se expôs.

Existe uma cruz para cada indivíduo. Existe a cruz do ladrão, a cruz do homicida, a cruz do adúltero, a cruz da prostituta, a cruz do homossexual, a cruz do estelionatário, a cruz do pedófilo, a cruz do drogado, a cruz do fumante, a cruz do violento, a cruz do devasso, a cruz do vingativo, a cruz do pobre, a cruz do miserável, a cruz do rico, a cruz do avarento, a cruz do mentiroso, a cruz do corrupto, a cruz do justo e a cruz do ímpio. Ela é a “marca” da incapacidade do ser humano se justificar diante de Deus.

Jesus nunca disse que nos aliviaria da cruz, nem mandou que nos despojássemos dela, mas tão somente que a carregássemos; e como faríamos isso? Seguindo após Ele. Tem gente que cai pelo caminho com o peso da cruz, alguns desistem e voltam atrás, outros ficam prostrados chorando a miséria da sua cruz, há ainda aqueles que pensam que podem abandoná-la em Cristo, mas não podem, pois Ele mesmo disse: “Se quiser vir após mim, NEGUE-SE A SI MESMO, tome a cada dia a sua cruz e siga-me” (Lucas 9: 23).

A solução para a cruz é olhar somente para Jesus.

Quando estive na escola militar e o meu pelotão era levado para treinamento, eu sabia que iríamos sofrer muito, pois seriam horas de dores, cansaço e de humilhação. Numa das “pistas de treino” havia uma frase de efeito logo à entrada; ela dizia o seguinte: “O SUOR POUPA O SANGUE”; ou seja, o suor no campo de treinamento, poupa o sangue no campo de batalha; ela indicava que quanto mais experimentado, mais chance de sobreviver na guerra.

Então aprendi uma coisa, aprendi a não pensar no peso daquelas horas, mas no fim de tudo aquilo, no fruto que resultaria dali, pois eu ficaria mais forte, mais firme, mais perseverante, mais capacitado e mais hábil. Outro alento animador era que depois de toda a canseira e sofrimento haveria o descanso para mim.   

O apóstolo Paulo diz algo parecido com o que mencionei. Ele diz: “... tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória há ser revelada em nós” (Romanos 8: 18), portanto, não atentando para aquilo que se vê, mas para o que não se vê, porque as coisas que se vêem são passageiras, mas as que se não vêem são eternas (2 Cor. 4: 18), esqueço do que para trás fica, e prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Fil. 3: 13,14).

A cruz não é o fardo do pecado, mas a assinatura desse fardo na carne, e em Cristo ela deixa de ser um peso e se torna motivação, isto é, um estímulo para não vivermos mais nos ditames, nas inclinações e nos desejos da carne, porque pela cruz conhecemos as nossas fraquezas e limitações, porque se andarmos segundo as inclinações da carne, nós morreremos, mas se pelo Espírito Santo mortificarmos as obras da carne, então viveremos (Rom. 8: 13), porque a inclinação da carne é morte, mas a inclinação do Espírito é vida e paz (Rom. 8: 6).

O pecador arrependido convertido ao Senhor e renascido em Cristo, ainda sentirá na carne os desejos do pecado, mas como tudo se fez novo e as coisas velhas já passaram (2 Cor. 5: 17), ele não viverá pelos seus sentidos e sim pela fé naquele que o chamou das trevas para a luz. Por exemplo, um homem imoral, que viveu uma vida de dissolução, mas que arrependido do seu mau caminho volta-se para Jesus, ainda sentirá as marcas da escravidão de outrora na sua carne, contudo, não será mais dominado por seu passado, antes subjugará as inclinações carnais por amor à fé que em Jesus Cristo abraçou, e como já foi experimentado naquelas paixões, reconhece o fim decadente para o qual aquele caminho o levou. Não há mágica, apenas fé; fé que gera obediência; obediência que produz bons frutos; bons frutos que revelam o verdadeiro louvor a Deus.

O AGUILHÃO DA MORTE É O PECADO (1 Cor. 15: 56).

Aguilhão é uma ponta de ferro fixada na extremidade de uma vara usada para conduzir bois infligindo-lhes dor. Isto quer dizer que o pecado é como uma ponta afiada golpeando a carne para guiá-la à morte, impondo à alma as dores da corrupção.   

Assim Deus disse a Caim: Se não fizerdes o bem, o pecado jaz à porta (da mente e dos sentidos), e sobre ti será o seu desejo (o desejo do pecado é envolvente), mas sobre ele deves dominar (o domínio próprio reside na obediência a Deus) (Gên. 4: 7). 

UM DISCURSO DIFÍCIL DE ENGOLIR.

“A minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida” (João 6: 55).

Os contemporâneos de Cristo escandalizaram-se quando ouviram o discurso do “Pão da Vida” onde Jesus disse com todas as letras que o judaísmo, as tradições e as leis da nação de Israel não poderiam salvá-los da morte, e que todas estas coisas eram como o maná que os pais comeram – mas não conheceram – e morreram. Que faremos para realizar as obras de Deus? Perguntaram os judeus. Jesus lhes disse: A obra de Deus é esta: “creiam naquele que por Ele foi enviado” (versos 28 e 29). Jesus disse: “Eu Sou o Pão da Vida” (verso 48). Eu Sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que Eu darei pela vida do mundo é a minha carne (verso 51). Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o Seu sangue, não tendes “vida” em vós em vós mesmos (verso 53). Quem de Mim se alimenta, por Mim viverá (versa 57).

Os judeus não entenderam o conteúdo desta mensagem e hoje os cristãos também não entendem, pelo menos a maioria dos que se dizem cristãos. Jesus levou na sua face murros, bofetadas e cusparadas, nas costas recebeu chibatadas, nos seus ouvidos insultos e zombarias, mas não revidou nenhuma afronta que sofreu, Ele negou-se a Si mesmo, pois sendo Deus, não usurpou ser igual a Deus, antes, se esvaziou de Sua glória e assumiu a forma de servo, e na forma de servo, humilhou-se a Si mesmo e foi fiel até a morte na cruz (Fil. 2: 6-8).

“Não é o servo maior que o seu Senhor”; alguém se lembra disso? Basta que ele seja igual ao seu Senhor (Mat. 10: 24,25); e se ao madeiro verde fizeram tudo que quiseram; que será do madeiro seco? (Lucas 23: 31). “Comer a carne e beber o sangue” não se limita a uma cerimônia (Ceia do Senhor), mas no viver por intermédio da carne e do sangue de Jesus Cristo, no estar crucificado com Ele para ser ressuscitado por Ele no último dia; no andar, no sentir, no olhar, no pensar, no falar e no agir da mesma maneira que Ele o faria; essa é a verdadeira vida esse é o verdadeiro “caminho”; “andai por Ele”.   

Tenhamos este mesmo sentimento: “Aquele que padeceu na carne, já cessou do pecado” (1 Pedro 4: 1).

L. M. S.